Categorias:

Benefícios comprovados pelos cientistas da Maca Peruana

 

A maca peruana (Lepidium meyenii) é uma raiz nativa da região andina, cultivada por pelo menos 2000 anos. A maca é rica em fibras, um grande número de aminoácidos essenciais, ácidos graxos e outros nutrientes, incluindo vitamina C, cobre, ferro e cálcio. Além desses nutrientes essenciais, essa raiz contém compostos bioativos responsáveis pelos benefícios para o corpo humano, o que causou um aumento considerável em seu consumo nos últimos 20 anos em todo o mundo. Esta revisão documenta a composição da maca peruana e as descobertas recentes sobre os efeitos medicinais dessa raiz na regulação da disfunção sexual, efeitos neuroprotetores, ação no aprimoramento da memória, atividades antidepressivas, antioxidantes, anti-câncer e anti-inflamatórias e proteção da pele.

 

Atualização do mercado de maca peruana


O pó de maca ainda é um dos superalimentos mais populares. É um suplemento alimentar derivado da raiz tuberosa processada de Lepidum meyenii e conhecido por seus benefícios nutricionais. A demanda mundial continua a crescer, enquanto as áreas cultivadas vêm diminuindo devido aos baixos preços de mercado e ao excesso de estoques. Os preços continuaram aumentando, conforme previsto em nosso último relatório de mercado.

Cuidado com shakes que prometem emagrecimento rápido

Uso medicinal

Os glucosinolatos foram previamente relatados como constituintes fisiologicamente importantes presentes na Maca peruana (Lepidium peruvianum Chacon) e ligados a várias funções terapêuticas de hipocótilos de Maca peruana de cores diferentes. Em dois ensaios separados, três cores dos hipocótilos da maca “preto”, “vermelho” e “amarelo” (denominados “fenótipos da maca”) foram selecionadas de culturas mistas da maca peruana para estudos de laboratório como frescos e após serem secos. Fenótipos individuais de Maca foram cultivados nas terras altas dos Andes peruanos a 4.200m a.s.l. (Junin e Ninacaca). Níveis de glicossinolato, perfis cromatográficos de HPLC e variabilidade do DNA nos fenótipos de Maca investigados são apresentados. Os perfis genotípicos foram determinados pelas técnicas ISSR-PCR e RAPD. Comparado aos fenótipos Preto e Vermelho, o fenótipo Amarelo continha níveis muito mais baixos de glucosinolato medidos contra os padrões de glucotropaeolina e m-metoxi-glucotropaeolina, e exibia diferentes reações RAPD e ISSR-PCR. O fenótipo da maca vermelha apresentou as maiores concentrações de glucosinolatos em comparação com a maca preta e amarela. Parece que o sistema tradicional usado pelos nativos das terras altas dos Andes peruanos na preparação de Maca como um prato de legumes (Maca seca em ebulição após imersão em água), para complementar suas refeições diárias, é tão eficaz quanto os métodos de laboratório – para extrair Glucosinolatos, que são considerado um dos principais constituintes bioativos responsáveis ​​pelas funções terapêuticas dos fenótipos da maca peruana. É razoável supor que as técnicas de HPLC e DNA combinadas, ou separadamente, possam auxiliar na determinação da identificação e “impressões digitais” na identificação de fenótipos individuais da maca peruana, confirmando assim a autenticidade dos produtos comercializáveis ​​da Maca. As premissas acima justificam testes laboratoriais adicionais.

Palavras-chave: glucosinolatos, perfis de HPLC, cores de hipocótilo, maca peruana, fenótipos
Vamos para:

15 alimentos que estimulam o sistema imunológico

INTRODUÇÃO

Em 1981, Johns (1) estipulou que altas concentrações de glucosinolatos (benzil e p-metoxibenzil glucosinolatos, bem como seus derivados de isotiocianato em particular) em hipocótilos da Maca peruana (Lepidium peruvianum Chacon – L. peruvianum), representam um grupo funcional importante de biologicamente compostos ativos e sugeriu uma ligação entre a presença de glucosinolatos e as propriedades tradicionalmente reconhecidas para aumentar a fertilidade. Gonzales (2) confirmou essa observação e estipulou ainda mais que o glucosinolatos em hipocótilos de cores diferentes pode estar ligado a propriedades fisiológicas e terapêuticas específicas dos fenótipos individuais de Maca (3). A suposição acima foi confirmada na pesquisa clínica por Gonzales e seu Grupo de Pesquisa (4), que, em uma série de estudos em indivíduos do sexo masculino (5-7), demonstraram a existência de diferenças nos efeitos dos fenótipos da maca peruana, que podem ser ligada aos níveis de glucosinolatos detectados nos fenótipos preto, vermelho e amarelo (2).

Tenha saúde com o suco de noni – Volta Redonda

 

Como não há informações sobre um procedimento de laboratório que possam ajudar a distinguir fenótipos individuais em culturas mistas dos fenótipos de Maca, foi feita uma tentativa neste artigo para determinar os dois níveis de glucosinolatos, juntamente com perfis cromatográficos em três fenótipos de Maca selecionados, ” Preto ”,“ Vermelho ”e“ Amarelo ”. Também foi feita uma comparação dos métodos de extração em laboratório com o sistema tradicional de preparação de Maca e seus efeitos sobre os rendimentos resultantes de glucosinolatos extraídos.

Maca (L. peruvianum): As espécies de plantas publicadas no catálogo das plantas com flores e gimnospermas do Peru (8) foram caracterizadas fitoquimicamente no artigo anterior desta série (9). Em dois ensaios separados, várias amostras de hipocótilos representando os fenótipos de Maca “Amarelo”, “Preto” e “Vermelho” foram separadas das culturas de Maca colhidas em dois locais nas terras altas dos Andes peruanos (Junin e Ninacaca).

Ensaio I: Hipocótilos representando fenótipos “preto” e “vermelho” de maca peruana em uma cultura de maca cultivada localizada em Ninacaca a 4.200 m a.s.l. (Departamento Pasco) foram amostrados por um Grupo de Pesquisa liderado pelo Dr. Gustavo F. Gonzales da Faculdad de Ciências e Filosofia, Universidade Peruana Cayetano Heredia, Lima, Peru. Os hipocótilos de maca foram secos a aproximadamente 10% de umidade e o procedimento de amostragem foi descrito em detalhes por Gonzales et al. (3) Subamostras dos hipocótilos intactos de ambos os fenótipos foram enviadas para a Faculdade de Tecnologia de Alimentos da Universidade de Agricultura de Cracóvia, Polônia (Laboratório A), Instituto de Pesquisa de Plantas Medicinais, Poznan, Polônia (Laboratório B) e Divisão Analítica, Ciência de Plantas, SCU, Lismore, Austrália (Laboratório C) para análise de glucosinolato.

 

Quer aprender sobre o que comer para perder peso?

 

Ensaio II: Hipocótilos de três fenótipos de Maca rotulados como “Amarelo”, “Preto” e “Vermelho” foram amostrados de uma cultura mista de Maca, colhida em um local de cultivo orgânico certificado (10) em Junin (planalto de Junin), situado a 4.200 m a.s.l. Amostras de hipocótilos recém-colhidos representando três fenótipos de Maca foram coletadas e embaladas no local, em sacos plásticos herméticos e de parede dupla. Em seguida, foi realizado o transporte aéreo e a entrega aprovados cerca de 80 horas após a colheita, para um laboratório em Poznan, na Polônia, para posterior procedimento analítico.

Procedimentos analíticos
Ensaio I: O teor de glucosinolato nos hipocótilos dos dois fenótipos de Maca secos (L. peruvianum) “Red” e “Black” originários de Ninacaca foram examinados comparativamente usando métodos de HPLC: Laboratory A – por Michalski et al. (11) e Kraling e col. (12); Laboratório B – de Li et al. (13) adotado com modificações, para ajustá-lo às condições internas do laboratório (14) e ao Laboratório C – utilizando o procedimento baseado no método de Piacante (15) e Mc Lure (16) com modificações laboratoriais descritas no artigo anterior de nesta série (9, 17).

O glucosinolato comum Glucotropaeolin (Benzilglucosinolato – Laboratório A e B) e Sinigrin (2-propenil glucosinolato derivado de mostarda preta – Laboratório C) foram utilizados como padrões de referência para Glucosinolatos.

Os dados foram apresentados como média ± DP (n = 2). A análise de variância paramétrica unidirecional (Statistica v. 8.1, StatSoft, Inc., Tulsa, OK, EUA) foi aplicada para testar as diferenças entre tratamentos experimentais. O teste de Duncan foi utilizado para a identificação de diferenças estatisticamente significativas em um nível de p <0,05.

As resoluções de HPLC para os dois fenótipos de Maca foram estendidas para esferóides 3D de Maca (Laboratório C), ambas avaliadas para possível uso como “impressões digitais” que ajudaram a distinguir os dois fenótipos de Maca.

Ensaio II: Laboratório B: Foram estudados o conteúdo de glucosinolatos, espectros de HPLC e variabilidade genética em hipocótilos dos três fenótipos de Maca (L. peruvianum): amarelo, preto e vermelho. Neste ensaio, todos os hipocótilos frescos intactos (8 – 10 dos três fenótipos cada) entregues ao laboratório em um estado frio foram colocados em uma geladeira a 4 ° C (+/- 1 ° C). Em seguida, os três hipocótilos frescos de cada amostra de fenótipo foram usados ​​no estudo de DNA e os três restantes foram mantidos sob refrigeração para análises químicas adicionais como “frescos”, com os restantes hipocótilos secos a 37 ° C (+/- 1 ° C) a aprox. 92% de DM para uso na determinação de glucosinolato.

(a) Análise de glucosinolato em hipocótilos de Maca frescos e secos, usando o procedimento HPLC: Amostras de 5 g de hipocótilos de Maca secos e 15 g de frescos dos três fenótipos de Maca: amarelo, preto e vermelho foram raladas e pulverizadas sob nitrogênio líquido em pó fino usando um Warring liquidificador seguido de moagem de almofariz e pilão. O método e o protocolo descritos por Li et al. (13) com modificações (13), idêntico ao procedimento utilizado no ensaio I para o laboratório B, foi aplicado. Três amostras de 1 g de cada hipocótilo em pó foram extraídas em metanol, seguidas de purificação usando um método de extração no estado sólido e detecção de glucosinolato a 235 nm contra a glucotropaeolina como padrão externo.

(b) Procedimento tradicional de preparação de Maca e rendimentos de glucosinolatos extraídos: A eficiência da extração de glucosinolato foi avaliada comparando-se o sistema tradicional de preparação de Maca seca (imersão e fervura em água) usada por nativos das terras altas do Peru, com um sistema de extração por solvente, usado em laboratórios. Cerca de 5 g de hipocótilos de Maca secos: fenótipos de amarelo, preto e vermelho foram reduzidos a pó em nitrogênio líquido. Três amostras de fenótipo pulverizadas (1 g cada) foram utilizadas para o procedimento analítico por HPLC com dois estágios

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *