primeiro satélite brasileiro
Categories:

Primeiro satélite totalmente brasileiro foi lançado com sucesso na Índia

O evento fará parte da missão de uma agência espacial indiana

O satélite Amazônia-1, o primeiro satélite de observação da Terra projetado, integrado, testado e operado pelo Brasil, foi lançado no dia 28 de fevereiro às 01h54 (horário de Brasília). O Amazônia-1 será lançado como parte da missão PSLV-41 da Organização de Pesquisa Espacial da Índia (ISRO).

Este será o terceiro satélite brasileiro de sensoriamento remoto em operação ao lado do CBERS-4 e do CBERS-4A. Os dois foram desenvolvidos pelo Brasil em parceria com a China.

Amazônia-1 tem seis quilômetros de fiação e 14 mil ligações elétricas. É um satélite orbital síncrono (polar) do Sol que irá gerar imagens do planeta a cada cinco dias. O satélite pode observar uma faixa de aproximadamente 850 km, com 64 metros de resolução.

A vida útil da Amazônia-1 é de quatro anos. A missão inclui ainda o lançamento de mais dois satélites, Amazônia-1B e Amazônia-2.

Invenção chamada Torres de água warka de baixa tecnologia poderia matar a sede de milhões de africanos

Missão amazônica

O Amazônia-1 ou SSR-1 (em português: Satélite de Sensoriamento Remoto-1), é o primeiro satélite de observação da Terra inteiramente desenvolvido pelo Brasil, [6] com lançamento às 04:54:00 UTC (10:24:00 IST ) em 28 de fevereiro de 2021.
O satélite faz parte da chamada Missão Amazônica, criada para fornecer dados de sensoriamento remoto para observação e monitoramento do desmatamento, principalmente na região amazônica. A missão irá também acompanhar a agricultura em todo o território nacional com elevada taxa de revisita, procurando trabalhar em sinergia com os programas ambientais existentes.

“A Missão Amazônia consolidará o conhecimento do Brasil no desenvolvimento integrador de uma missão especial usando satélites estabilizados em três eixos, já que os satélites de sensoriamento remoto anteriores foram desenvolvidos em cooperação com outros países”, declarou o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). em uma nota.

 

Fonte : https://www.space.com